Líder de seita, americano procurado por crimes sexuais é preso em Pipa (RN)

Victor Bernard, de 53 anos, foi preso na praia da Pipa, no litoral Sul potiguar.
Segundo a PF, americano responde a 59 acusações de abusos sexuais.



A Polícia Militar prendeu na noite desta sexta-feira (27), no litoral Sul do Rio Grande do Norte, o americano Victor Arden Bernard, de 53 anos, líder de uma seita religiosa nos Estados Unidos e que responde a 59 acusações de abusos sexuais contra crianças e adolescentes, crimes que teriam ocorrido entre os anos de 2000 e 2012. A Polícia Federal confirma as informações.

 O tenente da Polícia Militar Daniel Costa participou da prisão. Ele revelou ao G1 que o estrangeiro foi encontrado por volta das 21h em uma casa dentro de um condomínio na paradisíaca praia da Pipa, município de Tibau do Sul. Escrituras, documentos, agendas, computadores, pendrives, aparelhos e chips celulares foram apreendidos e levados para a sede da Polícia Federal, em Natal.

“Uma brasileira, que morou nos Estados Unidos, dava cobertura ao acusado. Ela assinou um termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por favorecimento pessoal e foi liberada. Já o americano, foi levado para a superintendência da PF. Havia um mandado de prisão contra ele, incluindo uma ordem de extradição já assinada pelo Supremo Tribunal Federal”, afirmou o oficial.

 Ainda segundo o tenente, as informações sobre a presença do americano na praia da Pipa foram repassadas pela Polícia Federal. "Depois disso, demos início a uma operação para prendê-lo. Contamos com o efetivo da PM de Tibau do Sul e da Pipa", acrescentou.

'Jesus na carne'
De acordo com a imprensa americana, Victor Bernard começou a ser investigado em 2012 no estado americano de Minessota, quando duas de suas seguidoras resolveram denunciá-lo. Uma delas alegou que vinha sofrendo abusos sexuais desde os 12 anos. Outra, desde os 13 anos, quando ela e a família se juntaram a uma igreja chamada 'River Road Fellowship'. Autoridades disseram que a congregação é um desdobramento do 'The Way International', grupo que se autodenomina cristão.

Em julho de 2000, Barnard criou um grupo de jovens meninas chamado de "Maidens" ou "Alamote", segundo a denúncia. O grupo, que tinha 50 membros, pregava que as meninas deveriam permanecer virgens e nunca se casar.

Na época, ainda de acordo com a denúncia, Barnard pregava que ele próprio representava “Jesus na carne”, e que para ele era normal fazer sexo com suas seguidoras, uma vez que “Cristo tinha tido relações com Maria Madalena e outras mulheres que o seguiam, assim como o rei Salomão havia dormido com muitas concubinas”.

Em 2011, o grupo liderado por Bernard se mudou de Minessota para o estado de Washington. Em novembro de 2012, após ser condenado, a polícia foi atrás de Bernard, mas ele não foi localizado.

Fonte: G1
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário! Ao ser aprovado será publicado.