Morte de enfermeira em Campina Grande (PB) pode ter sido encomendada, revela amiga

O assassinato da enfermeira Aucilene de Almeida Lucena, de 35 anos, ocorrido na manhã do último sábado (18), no bairro dede Bodocongó, em Campina Grande (PB), pode ter sido encomendado e não um latrocínio (roubo seguido de morte), como foi inicialmente divulgado pela PM.



A informação é de uma colega de trabalho de Aucilene e também atua no hospital da FAP. Segundo a mulher, que pediu reserva do seu nome temendo retaliações, Aucilene foi ameaçada de morte, dentro do setor de hemodiálise do Hospital da FAP, por um paciente que é albergado.

A primeira linha de investigação era de que era teria reagido a um assalto e sido assassinada com tiros na cabeça e no abdome em uma tentativa de assalto. No entanto, os bandidos não levaram a motocicleta de Aucilene após o crime.

“A morte dela não se tratou de assalto, era para ela mesma”, disse a mulher em uma mensagem no whatsapp.

A versão da morte por encomenda ainda não foi confirmada pela polícia.


Fonte: Mais Patos

Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário! Ao ser aprovado será publicado.