Acusado de crime que chocou o RN em 2009 tem júri adiado mais uma vez

Advogado do acusado Kleisson Souza renunciou ao caso.
Maria Luiza, 15 anos, foi sequestrada, estuprada e morta em abril de 2009.

O julgamento de Kleisson Souza, de 35 anos, um dos acusados de ter matado a estudante Maria Luiza Fernandes Bezerra, de 15 anos – crime que chocou o Rio Grande do Norte em 2009 – foi adiado mais uma vez.

O júri popular estava marcado para as 8h desta terça-feira (3) no Fórum Miguel Seabra, em Natal, mas a defesa do acusado renunciou ao caso, o que impossibilita a realização do julgamento.
De acordo com a 1ª vara criminal, onde tramita o processo, o réu será intimado e terá o prazo de dez dias para indicar um novo advogado. Caso não o faça, a Justiça irá nomear um defensor público e só então marcar uma nova data.

O advogado Arsênio Pimentel explicou que uma testemunha, considerada fundamental para a defesa, não foi encontrada para ser intimada a comparecer ao julgamento. "Eu pedi um reaprazamento do júri para que desse tempo desta testemunha ser localizada, mas a juíza não concedeu. Diante disso, renunciei ao processo", afirmou.

Em novembro de 2014, o outro acusado de ter participado da morte da estudante foi a júri popular. Thiago Felipe Rodrigues Pereira, o 'Thiago Cabeção', de 28 anos, foi condenado a 26 anos e três meses de prisão em regime fechado. Ele foi condenado por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, roubo qualificado, vilipêndio (maltrato de cadáver) e ocultação do corpo.


Na ocasião Kleisson não foi julgado porque o advogado dele estava viajando e não pôde comparecer ao júri. Após o adiamento do julgamento, a defesa alegou insanidade mental de Kleisson Souza e pediu a realização de um laudo de sanidade mental. No dia 2 de dezembro de 2014 a juíza Eliane Alves Marinho autorizou a realização de um exame de sanidade mental no acusado. O exame foi realizado no dia 17 de agosto de 2015.

Segundo o advogado Arsênio Pimentel, o resultado do exame considerou o acusado semi-imputável (indivíduo que, embora aparentemente são, não tem plena capacidade de entender o caráter ilícito do fato). "Em razão desta condição mental, a pena pode ser reduzida em até 2/3 caso o réu seja condenado", observou o advogado.


Assim como Thiago, Kleisson Souza também foi denunciado pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, roubo qualificado, estupro, vilipêndio (maltrato de cadáver) e ocultação do corpo.

O crime
Maria Luiza saiu de casa no dia 21 de abril de 2009 (feriado de Tiradentes) para se encontrar com o namorado em uma lan house. Ela não chegou ao destino. Seis dias depois, o corpo da adolescente foi encontrado nu e já em avançado estado de decomposição em um lixão no bairro de Felipe Camarão, na Zona Oeste de Natal. A perícia constatou que a adolescente foi estuprada e estrangulada.

O promotor Augusto Flávio Azevedo conta que o assassinato de Maria Luiza teve uma "combinação de desejo e estímulo de droga". "Há um desejo reprimido pela moça da parte de um dos acusados, o Thiago, e um flagrante do envolvimento de ambos os acusados com drogas. Os dois andavam juntos. Era um dia esquisito e chuvoso quando a menina foi pega a força e colocada em um carro. Ela sofreu diversos abusos, foi morta e o corpo foi desovado", acrescentou.



Fonte: G1
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário! Ao ser aprovado será publicado.