Garoto tenta fazer bomba com receita da internet e acaba queimado

Adolescente de 13 anos sofreu queimaduras de segundo grau.

'Cearazinho', maior assaltante do Norte, foge do presídio, em RO

José Amilton da Silva, o 'Cearazinho', fugiu da Casa de Detenção José Mário Alves.

PM prende dois homens com dezenas de cartões de crédito clonados

Após flagrante, polícia encontrou chupa-cabra na casa dos suspeitos.

Polícia pede mais 30 dias para concluir inquérito sobre morte de italiana

Presidente do inquérito pediu a prorrogação do prazo de entrega à Justiça.

Caixa de banco é explodido e quartel da PM alvo de tiros no interior do RN

Esta é a 2ª vez que o Bradesco é alvo de explosão na cidade de São Pedro.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Garoto tenta fazer bomba com receita da internet e acaba queimado

Adolescente de 13 anos sofreu queimaduras de segundo grau.
Ele está internado na ala de queimados do Hospital Estadual de Bauru.



Uma experiência aparentemente inofensiva provocou queimaduras de segundo grau em um adolescente de 13 anos em Bauru (SP). Ele pretendia fazer uma bomba de fumaça seguindo uma receita que encontrou na internet, mas o experimento não deu certo e gerou uma explosão. A avó da criança, Firmina Soares da Silva, conta que a explosão ocorreu na cozinha, quando o menino acendeu o fogão e misturou em uma panela açúcar, salitre e bicarbonato de sódio. No entanto, a panela explodiu e o menino foi atingido.

Para os parentes, o garoto afirmou que a ideia com a experienca era produzir uma bomba de fumaça. “Ele pegou a receita na internet e nós não sabíamos de nada. Disse que ia fazer a primeira experiência em casa e depois em outros lugares, mas não deu certo”, conta o tio do menino, Marcos Augusto de Freitas.

Ele foi socorrido no hospital com queimaduras no rosto e nas mãos. “Eu estava indo tomar banho quando ouvi a explosão na cozinha. Ele me chamou e eu não sabia o que fazer. Os vizinhos que vieram socorrer porque ele dizia que não conseguia enxergar”, lembra a avó.

O adolescente está internado na ala de queimados do Hospital Estadual de Bauru e deve receber alta até o fim da semana, se o tratamento continuar evoluindo. Segundo os médicos, ele pode ficar com algumas marcas permanentes das queimaduras.

Efeito químico
Segundo um professor de química de uma universidade de Bauru, a mistura de salitre, açúcar e bicarbonato de sódio leva a uma combinação explosiva. “A mistura desses componentes gera uma reação em cadeia com uma grande quantidade de calor, o que é realmente explosivo”, explica Herbert Duchatsch Johansen.


O especialista afirma ainda que outros produtos utilizados pelas donas de casa também precisam ficar bem longe das crianças pra evitar acidentes. “Entre eles estão o permanganato de potássio, que é utilizado para curar feridas da catapora e também glicerina, que algumas pessoas têm em casa. A mistura desses componentes gera uma reação incompatível e inflamável. Também a soda cáustica, que em solução gasosa queima as vias nasais”, afirma Herbert.

O Corpo de Bombeiros também alerta os pais com relação às experiências que são ensinadas na escola e também na internet podem apresentar risco quando feitas em casa. “As crianças tentam repetir a experiência dentro da casa e sem a orientação de adulto. Para que tudo ocorra em segurança, é essencial o acompanhamento de um adulto” , ressalta o tenente dos bombeiros, Eduardo de Souza Costa.

Fonte: TV Tem

'Cearazinho', maior assaltante do Norte, foge do presídio, em RO

José Amilton da Silva, o 'Cearazinho', fugiu da Casa de Detenção José Mário Alves, o Urso Branco, em Porto Velho, na manhã desta terça-feira (27). Conhecido como um dos mais perigosos criminosos da região Norte, pelo roubo bancos, ele estava em Rondônia desde outrubro de 2014. Junto com o presidiário, outros dois detentos escaparam: Adriano de Alencar Cordeiro Correa e José Silva Alves.

Segundo o boletim de ocorrência, presos informaram aos agentes penitenciários que uma cela estava serrada e a cerca que dá acesso ao muro externo também estava rompida. Os três presidiários teriam fugido pelo bueiro. Os fugitivos estavam em uma cela chamada 'seguro', onde ficam detentos perigosos. A Polícia Civil desconfia que a fuga teria sido facilitada e investiga o caso.

A Secretaria Estadual de Justiça (Sejus) informou que aguarda o resultado da perícia e das investigações.

'Cearazinho' é conhecido por assaltar bancos no estilo 'novo cangaço', em que os assaltantes entram nos estabelecimentos com fuzis e matêm os reféns na parte da frente do banco. O criminosos foi encontrado pela Polícia Civil em outubro do ano passado no Pará e foi transferido para Porto Velho, onde estava detido.

Segundo Ricardo Augusto dos Santos, chefe do Serviço de Investigação e Captura (Sevic) da Polícia Civil, a quadrilha de 'Cearazinho' tem entre 7 e 8 integrantes e, só no estado de Rondônia, já roubou cinco bancos, além de carros fortes e fazendas.

Os assaltos eram focados no Norte do país, onde a quadrilha de 'Cearazinho' já roubou em Rondônia, Acre, Pará e Amazonas. Mas, de acordo com a Polícia Civil, o grupo cometeu crimes também em Mato Grosso, na Região Centro-Oeste.

Conforme Ingrid Brandão, delegada adjunta da Delegacia de Patrimônio, a operação para a prisão do 'Cearazinho' foi muito cautelosa devido à periculosidade do suspeito. Ele era procurado pelos estados do AC, RO, AM, MT, MA e CE. "Ele já fugiu pela porta da frente do presídio de Cuiabá, trocando de roupa com seu irmão em 2011. Atualmente ele cumpre mandados de prisão em Rondônia e Amazonas", disse Ingrid na época da prisão, no ano passado.


Fonte: Comando190

PM prende dois homens com dezenas de cartões de crédito clonados

Após flagrante, polícia encontrou chupa-cabra na casa dos suspeitos.



Policiais militares do 11º Batahão prenderam dois homens, nesta terça-feira (27), com cartões de crédito clonados. Os suspeitos tentaram fazer compras em um supermercado em São Gonçalo do Amarante, quando foram descobertos por funcionários que acionaram a PM.

Os dois homens foram identificados como David Carlos Santos da Silva, de 32 anos, e Rinaldo Ferreira do Nascimento, de 27 anos. Os funcionários do supermercado desconfiaram que eles estariam usando cartões falsificados para pagar as compras.

Com isso, os policiais militares foram até lá e constataram a suspeita. Diante do flagrante, a equipe do 11º Batalhão foi até a casa da dupla, em Parnamirim. Lá, encontraram dezenas de cartões clonados, bem como chupa-cabra, equipamento usado para clonar os cartões de créditos

Fonte: Portal BO

Polícia pede mais 30 dias para concluir inquérito sobre morte de italiana

Presidente do inquérito pediu a prorrogação do prazo de entrega à Justiça.
Caso da morte de Gaia Molinari completou um mês no dia 25 de janeiro.


A Polícia Civil do Ceará solicitou à Justiça a prorrogação por mais 30 dias do prazo de entrega do inquérito que investiga a morte da italiana Gaia Molinari. De acordo com o órgão, o pedido de mais tempo é para a continuidade das investigações. O crime completou um mês em 25 de janeiro. A turista italiana foi encontrada morta na região do Serrote, na praia de Jericoacoara. Nos últimos 30 dias, a polícia realizou perícias, ouviu depoimentos, mas mantém o caso em sigilo e ainda sem respostas.

Apesar da repercussão internacional, os responsáveis pelas investigações têm evitado dar entrevistas à imprensa sobre o assunto. Para o promotor de Justiça de Jijoca de Jericoacoara, Francisco das Chagas de Vasconcelos Neto, é preciso proteger as investigações. "Eu entendo. As autoridades trabalham com provas e trabalham com produtos formais de investigações. Nenhum tipo de clamor", afirma.

De acordo com a dona da pousada em que esteve hospedada, Paula Bonelli, a italiana liberou o quarto na tarde do dia 24 de dezembro e saiu para a praia antes de voltar  para Fortaleza. "Eu pessoalmente acredito ter visto Gaia entre duas e, no máximo, três horas. Mais perto de duas do que três horas da tarde. Ficou uma sacola grande com todos os pertences que Gaia tinha trazido para Jericoacoara. Eu dei conta dessa sacola no dia seguinte quando minhas funcionárias deram conta que tinha a sacola. Vi a blusa em cima da sacola e percebi que era de Gaia. A primeira coisa que pensei foi: 'Ela esticou mais um dia'".

No dia 26 de dezembro, um morador de Jericoacoara foi preso suspeito de participar do caso. O homem prestou depoimento na Delegacia de Proteção ao Turista em Fortaleza, passou por exames na Perícia Forense e foi liberado pela polícia por não existir indícios suficientes para a prisão em flagrante. No dia 29 de dezembro, a carioca Miriam França, que viajou com a italiana para Jeriacoacoara, passou de testemunha à suspeita, teve a prisão temporária decretada e ficou detida por duas semanas na Delegacia de Capturas, no Centro de Fortaleza.

No dia 13 de janeiro, o juiz da comarca de Jijoca de Jericoacoara, José Arnaldo dos Santos Soares, revogou a prisão temporária da farmacêutica carioca Miriam França, que acompanhava a italiana Gaia Molinari na viagem à praia onde foi morta. A revogação foi solicitada pela Defensoria Pública na terça-feira (6) alegando não haver motivos para mantê-la presa. O magistrado decidiu ainda que a farmacêutica não poderá se ausentar do estado pelo prazo de 30 dias. A carioca estava presa desde o dia 28 de dezembro. O endereço do local onde ela está em Fortaleza não foi divulgado, por questões de privacidade, segundo a Defensoria Pública.

O corpo da turista foi enviado para Itália também no dia 13 de janeiro. O funeral da vítima aconteceu no dia 17 de janeiro na cidade de Piacenza, cidade natal da jovem. O corpo de Gaia Molinari estava na Perícia Forense de Sobral até o dia 30 de dezembro e, antes de seguir para a Itália, foi embalsamado em uma funerária em Fortaleza.

Fonte: Tv Verde Mares

Caixa de banco é explodido e quartel da PM alvo de tiros no interior do RN

Esta é a 2ª vez que o Bradesco é alvo de explosão na cidade de São Pedro.
Segundo a PM, terminal havia sido totalmente abastecido um dia antes.



Um caixa eletrônico do Bradesco foi explodido na madrugada desta quarta-feira (28) no município de São Pedro, a pouco mais de 50 quilômetros de Natal. Todo o dinheiro foi levado. A Polícia Militar não sabe quantos criminosos participaram da ação. Ninguém foi preso.

Ainda de acordo com a PM, a explosão aconteceu por volta de 1h50. A polícia informou também que o terminal havia sido abastecido nesta terça-feira (27). Os assaltantes ainda atiraram contra o destacamento da Polícia Militar na cidade. Em seguida, fugiram fazendo disparos para o alto. Uma loja também foi atingida pelos tiros.

Esta é a segunda vez que a agência do Bradesco da cidade de São Pedro é alvo de criminosos. Ano passado, no dia 9 de maio, o terminal também foi explodido. No entanto, o caixa estava vazio e nenhum dinheiro foi levado.

Fonte: G1/RN

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Desde o início do ano, 26 pessoas já foram vítimas de balas perdidas no Rio

Desde 1º de janeiro, 26 pessoas já foram vítimas de balas perdidas na Região Metropolitana do Rio - em média, uma por dia. Destas, cinco morreram. Os casos estão espalhados por todas as regiões da capital e também foram registrados em Niterói e na Baixada Fluminense.



O caso mais recente é o de Sandra Costa dos Santos, de 58 anos, foi atingida na cabeça enquanto dormia, na madrugada de segunda-feira, na Rua Amanajó, em Bangu, na Zona Oeste. Por volta das 3h, ela acordou sentindo muita dor e pediu ajuda à filha, Thaís Costa dos Santos, de 24 anos.

- Primeiro, achei que ela tivesse caído. Logo depois vimos que era um tiro. Trouxemos ela imediatamente para o hospital - relatou a jovem.

Segundo ela, a mãe está consciente, mas perdeu muito sangue. O disparo atingiu Sandra na altura da testa. A vítima teve alta ainda nesta segunda.


Horas antes, na noite de domingo, Lilian Leal de Moraes, de 12 anos, foi baleada na canela em Costa Barros, na Zona Norte do Rio. Ela está fora de perigo. Moradora da comunidade Terra Nostra, em Costa Barros, na Zona Norte, a garota se recupera de uma cirurgia para a extração do projétil no Hospital estadual Albert Schweitzer, em Realengo. Na mesma sala estava uma mulher, vítima de bala perdida no pé esquerdo quando estava no portão de casa, em Mesquita, na Baixada Fluminense.

- É nessa hora que a gente vê que o perigo está em todos os lugares. Estava conversando com essa moça aqui e vi que não tem mais jeito esse lugar (o Estado do Rio). Ir para onde? Onde é seguro? Agradeço o fato de a minha irmã estar bem. Foi a mão de Deus - disse Liliane Leal de Moraes, de 21 anos, que acompanha Lilian no hospital.

Segundo informações de moradores, a menina foi vítima de uma guerra entre bandidos rivais que disputam território. Liliane contou que, de manhã, um tiro atingiu o transformador da rua e sua casa ficou sem luz. Ela, então, colocou o celular para carregar no vizinho. Quando o tiroteio cessou, pediu que a irmã fosse buscar o aparelho.

- Ela já estava voltando para casa quando ouviu um zunido e, logo depois, sentiu uma cãibra. Era a bala.


Lilian é aluna do 7º ano e havia acabado de voltar da igreja quando foi ferida. Ela foi socorrida por vizinhos e levada ao hospital. As duas irmãs são nascidas e criadas na Terra Nostra.

- Quando acontece uma coisa assim, lógico que o pensamento é ir embora. Mas tem lugar seguro no Rio de Janeiro? Ontem, logo que chegamos aqui, entraram outros quatro baleados - contou Liliane.

Na Rocinha, armas recolhidas

As armas dos policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio, envolvidos no tiroteio com bandidos em que Adrienne Solan do Nascimento, de 21 anos, foi atingida por bala perdida, já foram encaminhadas para a perícia. O exame busca determinar se foi da arma dos agentes que saiu a bala que matou a jovem. A informação é da assessoria de imprensa das UPPs. Segundo nota oficial, “policiais estão fazendo buscas na comunidade e o policiamento está reforçado na região. As armas dos agentes foram apreendidas para confronto balístico”.

A jovem foi baleada por volta das 21h de domingo, na Rua 1. Segundo a assessoria das UPPs, os agentes foram recebidos a tiros por criminosos e revidaram. Os bandidos conseguiram escapar. Adrienne ainda foi levada para o Hospital municipal Miguel Couto, na Gávea, também na Zona Sul. Ela não resistiu aos ferimentos.

Já a Polícia Civil informou que equipes da Divisão de Homicídios (DH) fazem diligências na região onde ocorreu o confronto para tentar identificar o autor do disparo que atingiu Adrienne. Os policiais militares, além de entregarem as armas, já prestaram depoimento na especializada.

‘Nação de criminosos’

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, disse nesta segunda-feira que o aumento do número de casos de balas perdidas se deve, principalmente, à existência de ‘‘uma nação de criminosos’’ no estado, formada por ‘‘pessoas que têm um desapego total à vida humana’’. Ao ser questionado sobre a solução para o problema, ele cobrou que as Forças Armadas assumam o combate à entrada de drogas, armas e munição nas fronteiras do país, mesmo que, para isso, tenha de se desfazer de parte de seu patrimônio para financiar operações:

- Eu quero ver alguém que saiba dizer quanto entra por dia de drogas, armas e munição no país. Ninguém tem isso, porque o controle é muito difícil, são 16 mil quilômetros de fronteira. É preciso uma ação muito grande, e o Brasil precisa acordar para essa necessidade. Há problemas que têm de ser represados lá fora. É inteligente, racional e mais barato combater o tráfico nas fronteiras que sair correndo aqui, pela Avenida Brasil, produzindo confrontos, policiais feridos e mortos inocentes.

O secretário disse ainda que, por mais que se esforcem, policiais federais e rodoviários não têm como vigiar bem as fronteiras e afirmou que as polícias Civil e Militar do Rio ‘‘estão se esgotando’’. Beltrame informou que, de novembro do ano passado até ontem, foram presas 4.410 pessoas e apreendidos 65 fuzis, 578 pistolas, 539 revólveres e 54 granadas no estado.

Os episódios no estado

6 de janeiro

Um homem ficou ferido em tiroteio entre PMs da UPP e bandidos no Morro do São Carlos, no Estácio, Região Central.

2 de janeiro

Uma adolescente de 14 anos e sua filha, de 2, foram baleadas em confronto entre policiais da UPP e criminosos no Morro Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, na Zona Sul.

15 de janeiro

Geneci Laureano, de 41 anos, e Juvenal Alves, de 67, foram baleados em assalto a ônibus na Avenida Brasil, em Manguinhos, na Zona Norte.

16 de janeiro

Larissa de Carvalho, de 4 anos, morreu ao ser atingida na cabeça em Bangu. Em Mesquita, na Baixada Fluminense, cinco pessoas foram baleadas quando um grupo tentou matar um traficante. Em Coelho Neto, Zona Norte, um soldado do Exército foi atingido em tiroteio entre traficantes e PMs. Isabel Cristina de Santana, de 27 anos, levou um tiro no peito durante tentativa de assalto na Avenida Brasil, na altura da Penha.

17 de janeiro

Carlos Eduardo Rodrigues de Paula, de 33 anos, foi atingido por uma bala perdida em Bangu.

18 de janeiro

Asafe William da Costa, de 9 anos, morreu após ser atingido em Honório Gurgel, na Zona Norte. Duas pessoas morreram baleadas num ataque de criminosos contra miliciano em São João de Meriti, na Baixada.

22 de janeiro

William Robaiana da Silva, de 35 anos, foi atingido em Santa Cruz, na Zona1 Oeste, durante operação da PM. Lavínia Crissulo, de 3 anos, foi baleada na perna em tiroteio entre PMs e criminosos na Cidade Nova, na Região Central. Em Benfica, na Zona Norte, Maria Aparecida de Jesus foi ferida durante assalto.

23 de janeiro

Edilton de Jesus dos Santos, de 20 anos, foi atingido no Parque de Madureira, na Zona Norte.

24 de janeiro

Caio Robert Carvalho Rodrigues, de 14 anos, foi baleado no Fonseca, em Niterói. Valéria Soares Pacheco, de 35 anos, foi vítima de bala perdida no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, Zona Norte.

Fonte: Extra

Mulher desaparecida em RR é achada morta; ex fala em transporte de drogas

Autônoma havia sumido de Boa Vista, onde morava, há uma semana.
Mulher iria levar droga para município de Caracaraí, segundo ex-marido.



 A autônoma Lívia de Aguiar Marreiros, de 34 anos, desaparecida há uma semana, foi encontrada morta com as mãos amarradas para trás em uma mata no município de Caracaraí, região Sul do estado, na manhã desta segunda-feira (26). Segundo o ex-marido, Gandhy Sarmento, de 26 anos, não havia marcas de perfurações de tiros ou faca. A polícia informou que aguardará o laudo pericial que deve apontar a causa da morte. Ninguém foi preso ainda.

Conforme policiais, o corpo de Lívia foi encontrado por um homem que trabalha em uma fazenda e procurava seu cachorro quando sentiu um forte odor. Ao ver o cadáver, ele avisou ao seu patrão. A Polícia Militar foi acionada.

Sarmento ficou casado com Lívia por quatro anos e meio. Ele relatou ter entrado em contato com a ex-esposa pela última vez às 23h de segunda-feira (19). Sem notícias, parentes iniciaram buscas para localizar Lívia.

"Estávamos separados, mas mantínhamos contato. Ela chegou a ligar às 3h da manhã para o atual namorado dela. Ao retornar a ligação, não atendeu. Infelizmente, soube que ela foi encontrada morta com as mãos amarradas em uma mata. Fui ao município e, no local, reconheci o corpo devido a uma tatuagem que ela tinha no corpo", lamentou.

Sarmento notou o sumiço dela na quinta-feira (22) quando foi à casa onde morava a ex-esposa e não a encontrou. "Começamos a suspeitar do desaparecimento porque o atual namorado também não conseguia falar com ela", pontuou.

Troca de mensagens e prisão
Ele revelou ter trocado mensagens com Lívia antes de seu desaparecimento. Segundo expôs, em uma delas, a autônoma disse que iria a Caracaraí para fazer uma 'correria', termo usado para transportar drogas.

Lívia chegou a ser presa em 2005 no município de Bonfim por ter 'plantado' 700 gramas de maconha no armário de um colega de trabalho. À época, era professora e confessou o crime, justificando que estava devendo dinheiro a uma pessoa e para quitar a dívida teria de incrimimar a vítima. O ex-esposo confirmou o caso.

"Essa situação aconteceu mesmo e ela foi presa. Antes de desaparecer, me falou que iria a Caracaraí com o propósito de levar entorpecente, mas não sei com qual objetivo", enfatizou, acrescentando não saber informar se o envolvimento com drogas resultou na morte da ex-esposa. "Passam muitas coisas na cabeça num momento como esse. Não sei dizer".

A delegada do Núcleo de Investigação de Pessoas Desaparecidas, Elivânia dos Santos, esclareceu que ainda não foi informada sobre a causa da morte de Lívia.

"Vamos saber quando o IML [Insituto Médico Legal] repassar o laudo pericial. Um agente nosso acompanhou o caso e a família recoheceu o corpo como sendo o de Lívia. Chegamos a fazer algumas oitivas e diligências quando investigávamos o desaparecimento dela. Nesta terça-feira (27), o caso será entregue à Delegacia Geral de Homicídios [DGH], que dará continuidade", citou.


Fonte: Rede Amazônica

Preso orienta traficante a matar devedores no RN

Áudios foram obtidos durante a operação Alcatraz, no Rio Grande do Norte.
Conversa é entre detento e traficante, que ainda estaria solto.



Encomendas de morte, entrada de celulares e drogas estão nas conversas que os presos do sistema penitenciário do Rio Grande do Norte mantêm com pessoas do lado de fora das unidades prisionais do estado. O G1 teve acesso aos áudios de algumas das mais de duas mil interceptações telefônicas que fazem parte das investigações da operação Alcatraz, deflagrada no dia 2 de dezembro em 15 cidades do RN e que também cumpriu mandados nos estados de São Paulo, Paraná e Paraíba. A ação foi realizada conjuntamente pelo Ministério Público Estadual, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar do RN.

A Coordenação de Administração Penitenciária (Coape) informou que um planejamento estratégico está sendo montado para tentar acabar com a atuação das organizações criminosas nos presídios. Sobre a utilização de celulares pelos detentos, o coordenador de Administração Penitenciária, Leonardo Freire, disse que o governo pretende instalar bloqueadores de sinais de telefonia móvel, mas ainda não existe uma previsão sobre quando isso vai acontecer.

As ligações foram feitas a partir da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, na Grande Natal - a maior unidade prisional do estado. Em uma das escutas, um preso conversa com um traficante sobre a cobrança de uma dívida. "Tô querendo ver como eu pego ele lá. Ele tá com carro, tá com tudo e não quer pagar mano (sic)", afirma o detento, revelando que tem R$ 14 mil para receber de um homem de Macaíba, também na região metropolitana da capital.

Do outro lado da linha, o suposto traficante deixa claro que, se for necessário, ele mesmo acertará as contas com o devedor. "Se você quiser, eu vou buscar ele lá dentro da casa dele. Só é arrumar dois boy aí (sic)", diz. De pronto, o preso informa que tem o equipamento e pessoas para executar o crime. O detento cita que tem as 'peças' [armas] e 'camisas' [coletes à prova de bala]. "Tenho ali, tenho mais as peças, tenho camisa, tenho tudo. Esses boy que eu vou mandar para você é da minha confiança. É meus primo, meus irmão, cara que fecha comigo até a alma (sic)".

Na mesma conversa, o preso também se disponibiliza a matar desafetos do traficante, caso seja preciso. "Quando um cara enrolar você e você vir que se prejudica naquele canto, você dá uma ideia a nós e nós pega. Tá ligado? Tem que ser um bagulho que tenha motivo. Não é por toda dívida que ninguém pode estar matando o povo. Até porque eu não gosto disso (sic)", diz o detento.

Em uma conversa com uma mulher, um preso fala sobre as liberdades de uma visita íntima que acontecerá no dia seguinte. A mulher reclama da cela escolhida para o encontro e questiona o preso se é permitido fumar no local. O detento responde: "Aqui não tem frescura não. Pode fumar maconha, pode tudo. Só não pode quando tem criança (sic)".

'Bandido trajado'
Uma possível facilitação da entrada de drogas nos presídios também é assunto das conversas interceptadas na operação Alcatraz. Um preso fala sobre um agente penitenciário que estaria dispostos a "resolver" problemas dentro do presídio. "Esse bicho não embaça não (...) esse boy aí é um bandido trajado. Pode botar fé. Mete bagulho e tudo aqui, homi. O que tiver para resolver aí, ele resolve aqui (...) resolve bem ligeirinho. É só dizer onde tá. Ele caça igual um animal quando tá com fome atrás de uma presa" (sic)", afirma.

Nas escutas, os detentos ensinam como entrar com celulares na unidade prisional. "Depois que ele dá o baculejo, aí a mulher vai com dois telefones escondidos na mão, coloca na sacola e entra. Entendeu? (sic)", orienta um preso, que faz o pedido do celular de uma marca específica. "Mande um LG que eu tô precisando de um mesmo (sic)".

Em outra ligação, um preso conversa com uma pessoa do lado de fora do presídio que estaria jogando celulares para o lado de dentro da penitenciária. "Pode jogar que tá de boa (...) manda, a hora é essa (...) ficou um pouquinho longe, mas a gente dá um jeito (sic)", fala o detento.

Operação Alcatraz
A Operação Alcatraz foi deflagrada no dia 2 de dezembro e cumpriu 223 mandados de prisão em 15 cidades potiguares e também nos estados da Paraíba, Paraná e São Paulo. Destes, 154 foram contra pessoas que já estão encarceradas. Ao todo, 161 pessoas já foram denunciadas pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte por suspeitas de crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e organização criminosa – todas elas, segundo as investigações, associadas com duas facções que estariam ditando regras e comandando diversos crimes de dentro dos presídios do estado.

As duas facções, de acordo com as denúncias, surgiram a partir de uma organização criminosa que nasceu em São Paulo. No dia 7 de dezembro o 'Fantástico' exibiu gravações que mostram como esta facção vende drogas no Nordeste.

As denúncias feitas até agora apontam a existência de organizações criminosas dentro do sistema penitenciário estadual desde 2003. Na ocasião, "diversas fontes" relataram ao MP a existência de uma facção dando as ordens na Penitenciária João Chaves, na Zona Norte de Natal. Desativada em 2006, a unidade ficou conhecida como "Caldeirão do Diabo".

Fonte: G1/RN

Polícia apreende tanques de guerra em galpão na Zona Sul de São Paulo!

Policiais da Rota flagraram o material após denúncia nesta segunda-feira.
No local ainda estavam 500 TVs; homem que cuidava do imóvel foi detido



 Uma operação dos policiais militares da Rota para recuperar cargas roubadas apreendeu dois tanques de guerra junto a 500 aparelhos de televisão em um galpão no bairro Vila Independência, na região do Sacomã na Zona Sul de São Paulo, na noite desta segunda-feira (26).

De acordo com informações da polícia, o tanque está aparentemente em bom estado e tem até numeração, mas está se motor. Uma carcaça de outro tanque foi achada nos fundos do galpão. No local, ainda foi encontrado um caminhão semi-reboque que havia sido roubado no litoral paulista e outras peças de veículos. Um homem que cuidava do imóvel foi detido.

O caso foi comunicado à Polícia Federal, mas será investigado pela Polícia Civil. O registro da ocorrência foi feito no 95º Distrito Policial, em Heliópolis

Fonte: G1

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Três homens são encontrados mortos em subestação elétrica no Ceará

Polícia disse que foi encontrada uma carta de despedida perto dos corpos.
A primeira versão é de que foi um duplo homicídio seguido de suicídio.

A polícia investiga a morte de três homens que foram encontrados mortos na manhã desta segunda-feira (26) dentro de uma subestação da Companhia Elétrica do Ceará (Coelce), no município de Cascavel, a 60 quilômetros de Fortaleza.

A Delegacia Metropolitana de Cascavel informou que após investigações preliminares foi encontrado perto dos corpos das vítimas um bilhete de despedida. Apenas a polícia, funcionários da companhia e parentes das vítimas tiveram acesso ao local onde os corpos foram encontrados.

De acordo com a polícia, o triplo homicídio pode ter acontecido domingo (25), durante a troca do turno. Os policiais dizem ainda que somente nesta segunda-feira um funcionário que chegou ao local para trabalhar encontrou os corpos.

Homicídio e suicídio
O major da Polícia Militar Edalcio Aragão explica que a primeira versão é de que foi um homicídio seguido de suicídio.
"Ao que parece o vigilante que estava de serviço atirou no vigilante que estava entrando no trabalho.

E o funcionário que estava de plantão ouviu os tiros e foi ver o que estava acontecendo e acabou sendo atingido também. Ele recarregou a arma e cometeu suicídio. Tudo indica que foi uma fatalidade que aconteceu dentro da subestação", afirmou o major.

José Roberto Alves era o vigilante que estava chegando para trabalhar e, segundo a polícia foi morto por Marciano Costa da Silva. Os dois eram funcionários de uma empresa de segurança particular (Cearpa Segurança). O outro homem encontrado morto era Raimundo Nonato Matias, funcionário da Coelce que estava de plantão. Um revólver calibre 38 foi encontrado no local.

Fonte: Tv Verdes Mares