Falso médico preso no interior do Acre teria atendido mais de 300 pacientes

Suspeito prestava serviço ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais.

Falso médico (de branco) e mais quatro pessoas foram presas em Sena Madureira (Foto: Divulgação Polícia Civil)

A Polícia Civil do município de Sena Madureira (AC), distante 145 km da capital Rio Branco, prendeu na tarde de segunda-feira (27), Mauricio Alves Gomes, de 41 anos, suspeito de se passar por médico e vender remédios sem autorização. Segundo as investigações, o falso médico prestava serviços para o Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade e teria atendido mais de 300 pacientes. Além de Gomes, foram presos a secretária, o vigilante, a assistente social e o vice-presidente do sindicato.

De acordo com o delegado de Polícia Civil, Rêmullo Diniz, o suspeito oferecia exames, consultas e medicação para os trabalhadores. Diniz disse ainda que a polícia conseguiu identificar apenas 32 pacientes de Sena Madureira. Os demais são de outros municípios, já que o suspeito tinha convênio com sindicatos de várias cidades.

“Ele diagnosticava, passava exames e inclusive exames neurológicos. Oferecia até cirurgias plásticas de redução e próteses de silicone. Começamos a investigar depois de ouvir anúncios na rádio e panfletos espalhados pela cidade. A partir daí, conseguimos chegar até ele”, relata.
Ainda de acordo com o delegado, o suspeito teria feito um acordo com a presidência do sindicato para dividir os lucros das consultas. A polícia apreendeu ainda com o suspeito uma máquina utilizada para realizar exames, mais de R$ 3 mil em dinheiro e vários comprovantes de depósitos de consultas realizadas.

“Ele cobrava até R$ 300, porque além da consulta, sempre vendia e incitava os pacientes a comprar remédios que eram muitos caros, teve gente que gastou mais de R$ 1 mil. Eu tenho uma lista com 32 nomes, mas no computador dele tem registro de pelo menos 300 pessoas enganadas”, detalhou o delegado.
O delegado destacou ainda que a secretaria Eliane Campos, o vigilante Luciano Firmino dos Santos, a assistente social Izanira da Silva Alves, e o vice-presidente do sindicato, Manoel de Jesus Cesar, todos presos juntos com o falso médico, devem responder pelos crimes de venda ilegal de medicação, crime à saúde e associação criminosa. Gomes deve responder por esses crimes e exercício ilegal da medicina.

Diniz revelou ainda que a presidente do sindicato, Cirleide Silva, também foi indiciada pelos crimes e deve responder em liberdade. Os demais suspeitos estão detidos no presídio do município de Sena.
“Eles [suspeitos] teriam feito um acordo que parte dos ganhos seriam divididos com o sindicato. Ele tinha parceria com quase todos os sindicatos da cidade. Só no dia de ontem, ele arrecadou mais de 6 mil reais, até a hora da prisão”, finaliza.

O G1 encontrou em contato com a presidente do sindicato, Cirleide Silva, por duas vezes. Na primeira tentativa, a sindicalista disse que estava em reunião e que falaria depois. Já durante a segunda tentativa, a presidente não foi localizada.



Fonte: G1

Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário! Ao ser aprovado será publicado.