Jovem é morta com clorofórmio após rejeitar namoro com colega, em Brasília

A morte da estudante, de 20 anos de idade, ocorreu no laboratório da UnB; aluno confessou o crime e foi preso

Estudante assassinada tinha 20 anos de idade e estava fazendo estágio no Ibama

Uma estudante da Universidade de Brasília (UnB) foi assassinada por um colega de faculdade depois de, segundo depoimentos colhidos pela polícia, recusar-se a ter um relacionamento com ele. O corpo de Louise Maria da Silva Ribeiro, de 20 anos, foi encontrado na manhã desta sexta-feira (11) depois de o próprio suspeito indicar o local. Ele foi preso.

A jovem, que estudava Biologia e fazia estágio no Ibama, foi morta no laboratório de química da universidade na noite de quinta-feira (10). Segundo a polícia, Vinícius Neres, de 19 anos, aluno do mesmo curso, a asfixiou com um pano embebido em clorofórmio e, depois, abandonou o corpo em um matagal.

O último contato que Louise fez com a família foi às 20h de quinta-feira, avisando, por telefone, que iria a uma pizzaria. Segundo texto publicado pela irmã no Facebook, ela não foi ao local nem apareceu em casa, causando preocupações à família. Em busca da estudante, amigos espalharam cartazes no câmpus e reforçaram as mensagens nas redes sociais. O pai registrou o desaparecimento na manhã desta sexta e, com o início das buscas, o carro da vítima foi localizado no estacionamento da universidade.

O suspeito foi apontado por outros colegas da faculdade de Biologia, pois teria "uma fixação" na menina. Procurado, não se negou a ir ao encontro dos policiais, a quem confessou o feminicídio e o local onde deixara o corpo de Louise, em uma área no Setor de Clubes Nortes, nas proximidades da universidade. De acordo com o capitão da PM Jorge da Silva, Neres aparentava distúrbios psicológicos, pois teve "calma e tranquilidade" durante a confissão e "sorriu por várias vezes".

Baseada no depoimento do próprio suspeito, a polícia afirma que, logo depois que ela ligou para a família, na noite de quinta, Neres a contatou, anunciando um suicídio que "só ela poderia evitar". Os dois teriam marcado, então, um encontro no laboratório, onde o crime ocorreu. Registrado na Divisão de Repressão a Sequestros, o depoimento de Neres afirma que, assim que se encontraram, Louise abraçou o rapaz. Ele teria tido um "ataque de fúria". Há ainda a suspeita, segundo a polícia, de que ele tenha violentado sexualmente a jovem.

O suspeito está detido e deve ser julgado por feminicídio (homicídio doloso praticado contra a mulher) e ocultação de cadáver. Segundo a polícia, o crime pode ter sido planejado, pois há indícios de que Neres já estaria em posse da substância tóxica há pelo menos um mês.

A UnB se manifestou "consternada" com a morte da estudante, afirmando, em nota, que "a trágica perda da jovem aluna traz profunda dor à comunidade acadêmica e certamente deixa estarrecida a sociedade do Distrito Federal". Informou, ainda, estar à disposição para prestar apoio à família.

"A instituição aguarda a elucidação do caso pelas autoridades policiais com a confiança de que os responsáveis sejam devidamente punidos", escreveu a administração, decretando luto.

Ao Correio Braziliense, o pai da jovem afirmou que Louise era uma boa filha, estudiosa e sem vícios. "A gente lamenta que a sociedade esteja nesse nível", disse.



Fonte: ultimosegundo
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário! Ao ser aprovado será publicado.